Novos êxodos: os refugiados da seca

Kimbo vazio. Oncocua, Curoca (Cunene). Foto © Ruy Llera Blanes, Junho de 2021.

A foto acima é de um kimbo perto da sede de Oncocua (Curoca, Huíla). Este kimbo do soba Batista não está desabitado, no entanto vários dos seus jovens deslocaram-se para outras paragens à procura de trabalho nas lavras ou na agro-indústria para sobreviver. Neste contexto, o kimbo do soba Batista é um dos vários na província do Cunene que estão a sofrer com o êxodo provocado pela seca. Enquanto que alguns procuram a zona do Calueque, onde se encontram várias fazendas, outros procuram atravessar a fronteira com a Namíbia, à procura de trabalho ou oportunidades de comércio. Muitos kimbos pelo Cunene fora estão completamente vazios e abandonados.

De acordo com reportagens recentes no jornal O País, serão já cerca de 15 mil os angolanos deslocados na Namíbia, oriundos tanto do Cunene como da Huíla e do Namibe. Apesar de contactos recentes entre os governos de Angola e Namíbia (conforme reportou o mesmo jornal), esta migração continua a acontecer, já que os problemas das comunidades continuam a não ser resolvidos. Para mais, com as restrições motivadas pela crise sanitária do COVID, e subsequentemente fecho de fronteira, muitos deslocados são obrigados a emigrar de forma ilegal para matar a fome.

Por exemplo, numa conversa levada a cabo com as comunidades na região da Erola (fronteira entre o Cunene e o Namibe), que tradicionalmente atravessavam o rio Cunene de canoa para fazer negócio, os habitantes queixavam-se da multiplicação do sofrimento causado ao mesmo tempo pela seca, pelas restrições de mobilidade causadas pelo COVID e pela falta de soluções por parte do governo angolano, em particular no que se refere à falta de vias de transporte adequadas e à autorização de circulação transfronteiriça (conforme também reportou a ANGOP em Fevereiro deste ano). A pobreza atinge assim uma dimensão multidimensional, criando “novos refugiados da seca”. Numa altura em que se comemora o Dia Mundial do Refugiado no dai 20 de Junho, urge olhar com atenção para o que está a ocorrer na fronteira entre Angola e a Namíbia.

Recorte de fronteira entre Angola e Namíbia. Fonte: Google Maps.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search