Novos êxodos: os refugiados da seca

Kimbo vazio. Oncocua, Curoca (Cunene). Foto © Ruy Llera Blanes, Junho de 2021.

A foto acima é de um kimbo perto da sede de Oncocua (Curoca, Huíla). Este kimbo do soba Batista não está desabitado, no entanto vários dos seus jovens deslocaram-se para outras paragens à procura de trabalho nas lavras ou na agro-indústria para sobreviver. Neste contexto, o kimbo do soba Batista é um dos vários na província do Cunene que estão a sofrer com o êxodo provocado pela seca. Enquanto que alguns procuram a zona do Calueque, onde se encontram várias fazendas, outros procuram atravessar a fronteira com a Namíbia, à procura de trabalho ou oportunidades de comércio. Muitos kimbos pelo Cunene fora estão completamente vazios e abandonados.

De acordo com reportagens recentes no jornal O País, serão já cerca de 15 mil os angolanos deslocados na Namíbia, oriundos tanto do Cunene como da Huíla e do Namibe. Apesar de contactos recentes entre os governos de Angola e Namíbia (conforme reportou o mesmo jornal), esta migração continua a acontecer, já que os problemas das comunidades continuam a não ser resolvidos. Para mais, com as restrições motivadas pela crise sanitária do COVID, e subsequentemente fecho de fronteira, muitos deslocados são obrigados a emigrar de forma ilegal para matar a fome.

Por exemplo, numa conversa levada a cabo com as comunidades na região da Erola (fronteira entre o Cunene e o Namibe), que tradicionalmente atravessavam o rio Cunene de canoa para fazer negócio, os habitantes queixavam-se da multiplicação do sofrimento causado ao mesmo tempo pela seca, pelas restrições de mobilidade causadas pelo COVID e pela falta de soluções por parte do governo angolano, em particular no que se refere à falta de vias de transporte adequadas e à autorização de circulação transfronteiriça (conforme também reportou a ANGOP em Fevereiro deste ano). A pobreza atinge assim uma dimensão multidimensional, criando “novos refugiados da seca”. Numa altura em que se comemora o Dia Mundial do Refugiado no dai 20 de Junho, urge olhar com atenção para o que está a ocorrer na fronteira entre Angola e a Namíbia.

Recorte de fronteira entre Angola e Namíbia. Fonte: Google Maps.

OpenEdition suggests that you cite this post as follows:
Ruy Blanes (June 21, 2021). Novos êxodos: os refugiados da seca. Drought in Angola — Seca em Angola. Retrieved July 14, 2024 from https://doi.org/10.58079/txoz


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search