Sobre lixo, plásticos e seca em Angola

Sacos de plástico na Matala (Huíla). Foto © Ruy Llera Blanes, Outubro de 2020.

Paisagens como as da foto acima – tirada perto de um mercado na comuna da Matala (Huíla) – são, infelizmente, recorrentes na paisagem rural angolana, sobretudo em redor de atividades comerciais como mercados e vendas. Neste contexto, o problema do lixo e dos resíduos, tanto em Angola como no contexto mundial, não é exclusivo das cidades, mas cada vez mais um fenómeno que atravessa todo o tipo de paisagens. Por exemplo, no que diz respeito à poluição causada pelos plásticos e microplásticos nos ecosistemas locais, ou até mesmo na cadeia alimentária local de animais tais como a espécie caprina.

É neste contexto que por exemplo o UN Environment Programme in Africa recentemente alertou para os efeitos do uso excessivo de plásticos em sistemas marinhos no continente.

É também neste contexto que organizações ambientais promovem campanhas de educação ambiental e limpeza, como por exemplo o projeto Angola Sem Plástico, promovido pela organização filantrópica EcoAngola ao longo de 2021, com o apoio da União Europeia.

No contexto de situações de desastre ambiental como o da seca em Angola, é frequente apontar este fenómeno da poluição como exemplo da falta de conhecimento e consciência ambiental por parte das comunidades locais, que insistem em práticas nocivas para o ambiente. Outro exemplo frequentemente mencionado é a típica venda e produção de carvão artesanal ao longo das estradas de Angola, cuja prática produz ou acelera processos de desforestação e desertificação – o que num contexto de seca é particularmente preocupante.

Carvão à venda na estrada Cahama-Xangongo (Cunene). Foto © Ruy Llera Blanes, Junho de 2021.

No entanto, o discurso de culpabilização das comunidades locais pode ter o efeito perverso de ocultar outras razões mais fulcrais para a acumulação ou aceleração de processos de poluição e desastre ambiental. Nomeadamente, a ausência em Angola de uma infraestrutura de recolha e gestão de resíduos minimamente eficiente, a inexistência de uma ideia ou projeto de economia verde e a contínua desresponsabilização das entidades governamentais no que diz respeito à educação ambiental.


Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search