Seca só no Sul de Angola?

Raio X da Seca, média de Fevereiro de 2021. Fonte: página de Facebook do LAOT.

Se o Sul de Angola está a ser afetado por um período de seca que se estende já por vários anos, nos últimos tempos verifica-se a preocupante multiplicação de dados e referências a problemas de seca noutras regiões do país. Urge uma análise séria por parte das entidades competentes e organizações no terreno que possa responder à pergunta: estamos perante um aumento do território afetado pela seca em Angola?

[Nota prévia: os autores deste post não são especialistas em conservação ambiental, pelo que reforçamos a necessidade destas questões serem debatidas pelos mesmos; em baixo seguem reflexões a partir da análise de informação no terreno e dados disponíveis online]

Recentemente, o Laboratório Angolano de Observação da Terra (página de Facebook) divulgou um mapa atualizado com um “raio X da seca” ao longo do mês de Fevereiro, onde se podem apreciar as áreas afetadas pela seca nas diferentes regiões de Angola. A imagem de satélite é elaborada com base no índice normalizado de vegetação (NDVI) e corresponde a um dos mais importantes indicadores indiretos da situação de seca. De acordo com o LAOT, as áreas vermelhas do mapa destacam a intensidade da seca – numa situação crítica de estresse hídrica, com vegetação completamente seca -, visível no Sul-sudoeste de Angola abrangendo até ao corredor sub-litoral oeste. Ao mesmo tempo, as áreas com tons próximo ao amarelo, no mapa correspondem a registros de estiagem moderada.

Em qualquer caso, o que salta imediatamente à vista é a extensão das áreas vermelhas pelo corredor litoral para norte, atingindo a área de Luanda. Algumas notícias recentes vão reforçando esta constatação. Por exemplo:

  • Julho de 2020: perto de 100 mil pessoas afectadas pela estiagem nos municípios de Menongue, Calai, Cuchi, Cuangar e Dirico, província do Cuando Cubango (Jornal de Angola).
  • Novembro de 2020: devastação florestal altera clima e deixa Ndalatando mais quente (Jornal de Angola).
  • Janeiro de 2021: Seca destrói campos agrícolas em Malanje (VOA).
  • Fevereiro de 2021: nos dez municípios que compõem a província de Benguela, pelo menos 278 mil e 875 pessoas enfrentam dificuldades alimentares decorrentes dos efeitos da estiagem (Jornal de Angola).
  • Março de 2021: Cuanza Norte: Seca desacelera produção na fazenda Ngola Kiluanji (ANGOP)
  • Março de 2021: Seca mata diariamente mais de 20 cabeças de gado em Benguela (O País)

Tratam-se de indicadores que obrigam a comunidade científica e política a equacionar com mais sistematicidade quais os fatores humanos e não humanos que estão a tornar a estiagem um fenómeno cada vez mais alargado pelo território angolano – para mais quando a atual presidência está a canalizar recursos para a produção agrária nacional (por exemplo, através do PRODESI) e para dotação de infraestruras a nível local (PIIM).

Um dos fatores apontados nas notícias referidas acima é o problema da desflorestação, causada pela ação humana – sobretudo pela poluição e pelo aumento da exploração agrária intensiva, que reduz a cobertura vegetal e a longo prazo reduz a capacidade dos solos. Esta questão tem vindo a ser debatida em Angola nos últimos anos (como se pode ver nesta notícia da DW de 2014), e de acordo com o site de notícias ambientais Mongabay, em total, entre 1990 e 2010, Angola perdeu 4.1% da sua cobertura florestal, 2,496,000 ha.

A desflorestação não será o único, mas será certamente um dos fatores que explicam como as notícias sobre a seca em Angola já não se circunscrevem às “tradicionais” províncias da Huíla, Namibe e Cunene.


Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search