Legados Bóer no Sul de Angola (2): as “carroças estilo bóer”

“Carro bóer”, circa 1922. Fonte: Biblioteca Nacional (Portugal)

Uma referência recorrente sobre a presença bóer na região da Huíla remete para a introdução das carroças de bois como meio de transporte preferencial na região – as famosas “carroças estilo bóer”. Neste post recolhemos algumas dessas referências históricas.

Embora, como refere José Manuel Azevedo na sua tese sobre a colonização do Sul de Angola, o uso de bois para tracção de carros e carroças já existia para transporte de mercadorias em Moçâmedes em meados do século XIX (2014: 145), o mesmo não acontecia na Huíla, sendo os colonos bóer de São Januário da Humpata quem terá introduzido pela primeira vez esse meio às comunidades locais e aos colonos madeirenses (2014: 231). Como diria W.G. Clarence-Smith no seu artigo sobre os “Thirstland Trekkers” em Angola, o impacto não foi menor:

“The arrival of the Boers in Humpata initiated a minor transport revolution. Hitherto everything had been carried by head-porters. Now, in the whole southern third of Angola suitable for oxen the Boers opened up waggon tracks, built and repaired two major roads inland from Mossamedes and Benguela, set up artisanal workshops to build and repair waggons, and tenaciously defended a transport monopoly which was not seriously breached till about 1910. The real boom in the transport business began in about 1890, when the road inland from Benguela was built and large quantities of root rubber began to be exported from Angola. Although the Boers never managed to wrest more than a part of the rubber carrying business from the Ovimbundu porters, it was nevertheless extremely lucrative, and the 1890s influx from the Transvaal seems to have been closely correlated to the rubber boom.” (Clarence-Smith 1976; 44)

Igualmente, no segundo volume da sua História das Campanhas de Angola, René Pélissier (1997) conta como os bóeres foram instrumentais na instalação da infraestrutura colonial portuguesa no Cunene, graças à sua “colaboração” com a colónia na subjugação do Humbe e à sua introdução de centenas de cavalos, bois e carroças, vistos como fulcrais para o desenvolvimento do comércio na região (1997: 145-7).

Convém lembrar que a presença bóer na região não se resumiu à Humpata. Também se conhecem acantonamentos em Caluquembe, Matala e Gambos. No seu livro Boers de Angola (1958), Manuel Viegas Guerreiro acrescentaria que

“O carro boer foi, antes do comboio e da camionagem, o único meio de transporte e de tracção utilizado em terras angolanas; como ele só concorriam, pelos caminhos ínvios e acidentados do sertão, os milhares de carregadores pretos. Constituiu durante muito tempo o principal modo de vida da população boer de Caconda, Bié e Moxico: traziam-se de Benguela mercadorias para o interior e na volta carregavam-se borracha e cera.” (Guerreiro 1958: 10)

Neste sentido, as carroças rapidamente se introduziram no tecido económico regional, percorrendo rotas de Leste a Oeste e de Norte a Sul. As carroças eram frequentemente “alugadas” e fizeram parte do grande desenvolvimento do comércio no Planalto Central, especificamente no Bié onde partiam caravanas ovimbundu para o Leste/Norte a procura de cera e borracha, muito procurados na época. O rentável comércio foi interrompido por altura da chegada dos caminhos de ferro ao Luau.

Por outro lado, a carroça bóer não se limitava a cumprir funções económicas. Gastão Sousa Dias, no seu livro No Planalto da Huíla (1923), recordava a propósito dos bóer:

“Sòmente se juntam aos domingos na igreja, para onde se transportam em enormes carrões puxados a juntas de bois, e aí passam o dia em cânticos monótonos.” (Dias 1923: 76)

A carroça bóer também ajudou a abrir caminhos e criar estradas:

“O carro boer foi o primeiro elemento de penetração no hinterland. Não precisou de estradas, pois ele próprio as abriu; acomoteu todos os barrancos e atravessou os próprios rios, porque a elasticidade do seu arcabouço sai vitoriosa dos mais difíceis acidentes. Bem considerado, devemos aos boers apenas este benefício: transmitirem aos nossos colonos o uso do seu carro.” (Dias 1923: 82)

Alguns sites e blogs recolhem imagens antigas onde se reflete o uso das carroças na região no início do século XX. Reproduzimos algumas aqui. Por exemplo, o blog Angola do Outro Lado do Tempo, num post sobre a colonização das terras altas da Huíla, recolhe alguns registos visuais das movimentações bóer por esta região e pelo Namibe, que reproduzimos em baixo:

No blog, fazem-se algumas referências às memórias de Serpa Pinto em Como Eu Atravessei a África (1881):

 “O wagon de viagem em África do Sul é uma pesada construção de madeira e ferro, de 6 a 7 metros de comprido por 1,8 a 2 de largo, assente sobre 4 fortes rodas de madeira e tirado por 24 a 30 bois, jungidos a fortes cangas, presas a uma corrente e grossa, fixa à ponta do cabeçalho no carro.” (Serpa Pinto 1881)

O blog Fotos Namibe também recolhe alguns registos que mostram o uso da carroça em diversas atividades económicas na cidade de Mossâmedes (hoje Moçâmedes), na viragem dos séculos XIX e XX.

Hoje em dia, apesar da quase total motorização do transporte, de vez em quando ainda é possível ver carroças de bois a ser usadas como meio de transporte de pessoas e colheitas, escoando produtos para os mercados.

Carroça de bois, na Humpata (Huíla). Foto © Ruy Llera Blanes, Outubro de 2020.

Referências bibliográficas

Azevedo, José Manuel de. 2014. “A colonizaçâo do Sudoeste Angolano : do deserto do Namibe ao planalto da Huíla 1849-1900.” Tese de Doutoramento em História, Universidade de Salamanca.

Clarence-Smith, W. G. 1976. “The Thirstland Trekkers in Angola – Some Reflections on a Frontier Society.” Collected Seminar Papers. Institute of Commonwealth Studies 20: 42–51.

Dias, Gastão Sousa. 1923. No Planalto Da Huíla: Crónicas de Viagem, Impressões e Aspectos. Pôrto: Renascença Portuguesa.

Guerreiro, Manuel Viegas. 1958. Boers de Angola. Lisboa: Centro de Estudos Políticos e Sociais.

Pélissier, René. 1997. História das Campanhas de Angola: resistência e revoltas, 1845-1941, Volume 2. Lisboa: Editorial Estampa.

Serpa Pinto, Alexandre Alberto da Rocha de. 1881. Como eu atravessei Africa; do Atlantico ao mar Indico, viagem de Benguella á contra-costa, a-travès regiões desconhecidas; determinações geographicas e estudos ethnographicos. Londres: S. Low, Marston, Searle, e Rivington.


One Reply to “Legados Bóer no Sul de Angola (2): as “carroças estilo bóer””

  1. Muito interessante. Chaga-se a uma conclusão que a felicidade do homem remete aos meios em posse. Quando olhamos para as imagens com tração animal a percorrer quilómetros e quelómetros. Eram fortes

Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search