Moto-cisternas e a política da distribuição de água no sul de Angola

Moto-cisterna estacionada num kimbo no vale de Tyitongotongo, nos Gambos (Huíla). Foto © Helder Alicerces Bahu, Novembro de 2020.

Hoje, ao longo das estradas no sul de Angola é comum ver várias “moto-cisternas”, as famosas motas de 3 rodas tipo “Keweseki” ou “kupapata”, acopladas a uma cisterna para o transporte de água. Para muitos habitantes das zonas rurais desta região, as moto-cisternas acabam por substituir o uso tradicional do burro, ou mesmo as cabeças de mulheres e crianças, para transporte de água.

As moto-cisternas foram introduzidas num projeto piloto no Cunene iniciado em 2019, patrocinado pela Presidência da República, com o objetivo de reforçar o programa público de distribuição de água à população afectada pela seca na região – até então suportada por camiões-cisterna, com maior capacidade de armazenamento mas maior dificuldade de circulação pelas estradas das zonas rurais das províncias afetadas. De acordo com o veiculado na TPA, o projeto incluía a distribuição de 16 moto-cisternas para cada município. Posteriormente, a distribuição alargou-se para outras províncias, ao ponto de hoje cobrir vários pontos do território.

Cada moto-cisterna tem capacidade para mil litros, e o programa apresenta algumas características interessantes: por um lado, introduz um processo participatório nas comunidades locais, responsabilizando-as pela recolha e distribuição da própria água. Ao mesmo tempo, a iniciativa adapta-se a práticas sócio-económicas já estabelecidas, tendo em conta o tradicional uso das kupapatas para transporte de pessoas e bens nesta estrada. Neste contexto, inserem-se perfeitamente na economia local.

Moto-cisterna a circular perto da Matala. Foto © Ruy Llera Blanes, Outubro de 2020.

Por outro lado, apresentam dimensões negativas, nomeadamente o caráter provisório e não estrutural da solução, e a dependência de outras fontes energéticas (gasolina) e infraestruturais (estradas em boa condição) para o seu funcionamento. Nas nossas visitas a comunidades nos Gambos, por exemplo, vimos algumas moto-cisternas estacionadas nos kimbos, impedidas de circular pelas más condições das vias rodoviárias, ou por falta de gasolina. Por outro lado, o processo acaba por monetarizar o acesso à água, obrigando as famílias a pagar a água por litro (por exemplo, 50 kwanzas por balde), sendo que muitas delas, sobretudo as que vivem nas zonas mais remotas, vivem maioritariamente da economia de troca e não possuem kwanzas suficientes. Neste sentido, é frequente ver a água a ser vendida em troca de ovos ou outros bens de consumo, por exemplo.

Finalmente, também se questiona o processo de atribuição das moto-cisternas nas diferentes comunidades. Desconhecemos os critérios de decisão que permitem que determinadas aldeias ou kimbos possam beneficiar da atribuição das motas em detrimento de outras.

Burro a carregar água, entre o Chiange e a Taka. Foto © Ruy Llera Blanes, Novembro 2020.

Em qualquer caso, as moto-cisternas ilustram a importância dos sistemas de distribuição de água em zonas de escassez pluviométrica ou de insuficientes recursos infraestruturais (canalização, etc.). Acrescentam mobilidade e rapidez no acesso à água, mas também perpetuam lógicas de dependência económica.


Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search