Rios de areia

Rio de areia na zona da Taka, Gambos (Huíla). Foto © Ruy Llera Blanes, Novembro 2020.

As paisagens do Sul de Angola estão povoadas de rios de areia como este. À superfície, dir-se-ia que são fósseis de antigos rios outrora cheios de água e vida. No entanto, nem tudo é o que parece. No tempo da chuva, transbordam com água, não só à superfície mas também a nível subterrâneo. Esse lençol frequentemente permanece durante o tempo seco, à medida que a superfície seca, e serviu tradicionalmente como fonte alternativa de água para as comunidades locais. Na província do Namibe, onde a precipitação anual é mínima ou inexistente, a água subterrânea oriunda dos rios que nascem nas serras da Huíla é, neste contexto, fundamental.

Neste sentido, discutem-se hoje várias técnicas tradicionais e modernas – desde cacimbas a barragens subterrâneas – que permitam fazer retenção (ou “travagem”) de água que normalmente se perde por percolação. Apesar do ciclo de seca e a irregularidade pluviométrica, é mais um contributo para a sobrevivência e resiliência das comunidades locais.


Leave a Reply

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Search OpenEdition Search

You will be redirected to OpenEdition Search